António Manuel Monteiro Cardoso nasceu em Freixo de Espada à Cinta em 8 de Setembro de 1950. Estudou em Lisboa, onde se licenciou na Faculdade de Direito em 1974.
Exerceu funções como jurista em diversas áreas, em especial no direito da comunicação social, tendo publicado, ainda estudante, o livro Da Liberdade de Imprensa, com Alberto Arons de Carvalho. Sobre esta temática, publicaram conjuntamente com João Pedro de Figueiredo Direito da Comunicação Social.
A partir de finais dos anos setenta, passou a dedicar-se também à pesquisa histórica, de que resultou a obra A Guerrilha do Remexido, em co-autoria com António do Canto Machado.
Desde então, orientou as suas investigações sobre os oratorianos de Freixo de Espada à Cinta e sobre a província de Trás-os-Montes na época das lutas liberais, assuntos a que dedicou numerosos artigos, muitos deles publicados na revista Brigantia.
Na sequência destas pesquisas, doutorou-se em História Moderna e Contemporânea, em 2005, no ISCTE‑IUL, Instituto Universitário de Lisboa, com a tese A Revolução Liberal em Trás‑os‑Montes (1820‑1834) – O Povo e as Elites.
Publicou Timor na 2.ª Guerra Mundial ‑ O Diário do Tenente Pires, sobre a ocupação japonesa.
É autor, com António d’Oliveira Pinto da França, da obra Correspondência Luso-­Brasileira, vol. I Das Invasões Francesas à Corte no Rio de Janeiro (1807‑1821) e vol. II Cartas Baianas – O Liberalismo e a Independência do Brasil (1821‑1823).

 

Livros publicados na Âncora Editora:

Boas Fadas que te Fadem